domingo, 16 de junho de 2013

Brasil: de Incubadora à Cemitério de Startups

O título de segundo país mais empreendedor do mundo é uma imensa injustiça com o Povo Brasileiro.  Comparar um país como os Estados Unidos, que tem um sistema financeiro e um mercado de ações completamente voltados à valorização das startups é uma covardia.  

O Brasil seria, de fato e de longe, o primeiríssimo país mais empreendedor do mundo se o governo e principalmente o sistema bancário tratasse as startups como elas realmente deveriam ser tratadas: com respeito e sensibilidade.

Não é a toa que pessoas de bem deixam seus empregos, renunciam qualidade de vida e se lançam a uma atividade empreendedora.  Ao fazer isto, esses corajosos empresários encontram um cenário extremamente adverso, com uma complexa e pesada carga tributária, um sistema de crédito medieval que valoriza apenas os ativos tangíveis das empresas e uma infraestrutura logística literalmente destroçada, inviabilizando qualquer tentativa de escoamento de produtos com um mínimo de competitividade.

Essas pequenas empresas nascentes intituladas startups são, verdadeiramente, a mola mestra deste país, pois lançam no mercado, todos os meses, centenas de sementes que irão germinar e se se tornar as maiores fontes geradoras de empregos para a sociedade.

Deste modo o Brasil é, ao mesmo tempo que uma imensa incubadora de startups, um vasto cemitério dessas pequenas empresas que morrem até os 5 anos de existência por inanição. Segundo pesquisa Sebrae divulgada em outubro de 2011, a taxa de mortalidade das startups pode chegar a 43% em alguns estados para empresas com até 2 anos (veja abaixo o gráfico com esses percentuais por região no país).


Mas apesar de todas as dificuldades, as startups continuam sendo o nascedouro das melhores e mais rentáveis empresas do mundo, a exemplo da Google, da Amazon e de muitas outras que emergiram de quintais e garagens para assumirem o topo do mundo.

Mas infelizmente, no Brasil, vemos essas inovadoras iniciativas sucumbirem ao descaso e, quando conseguem sobreviver aos primeiros 5 anos e chegarem à fase de maturidade, são facilmente vendidas para o primeiro fundo de investimento que aparece, internacionalizando nossos dividendos.

Será que conseguiremos assumir o nosso justo e merecido primeiro lugar como o povo mais empreendedor do mundo?  Será que o governo terá um dia a coragem de peitar o sistema bancário e fazê-los agirem como bancos de fomento em vez de máquinas caça-níqueis?  Talvez, quando isto de fato acontecer, o próprio Brasil deixe de ser um país StartUp e passe a ocupar um lugar de respeito, e de verdade, na economia mundial, com bases sólidas e crescimento sustentável e de justiça social para o nosso povo.

Este é o desafio StartUp Brasil.

David Stephen

Nenhum comentário: