sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Cloud Computing: A volta dos Mainframes?


Após ler este artigo vocês irão pensar que eu tenho mais de 100 anos.  Mas, eu juro, tudo isso aconteceu em menos de 25.  Estou me referindo à saudosa época em que utilizávamos os famigerados terminais 3270 da IBM, a porta de entrada para os gigantes Main Frames.

Eu trabalhava na Empresa Municipal de Processamento de Dados da Prefeitura do Recife, a Emprel, quando aqueles pequenos e discretos microcomputadores começaram a invadir as repartições públicas, mal saídos das residências dos garotos viciados em games.

Eu ficava alucinado com a possibilidade de todos aqueles dados, que levávamos meses e anos para modelar, serem fragmentados nas inúmeras planilhas e documentos textos produzidos por usuários de microinformática, como eram conhecidos na época.  Era a morte anunciada do velho guerreiro Main Frame.

Mas, espere!  Isto de todo não foi tão ruim assim.  Apesar das redundâncias de informações e inúmeras inconsistências de dados que eram gerados pelo uso indiscriminado da informação, enfim ela, a Informação, conseguia chegar nas grandes mesas redondas para municiar as decisões dos poderosos diretores e presidentes das empresas.

Frustrante?  Sim.  Na época do Main Frame, para se ter uma informação gerencial de qualidade, investia-se uma fábula no desenvolvimento de sistemas parrudos e enormemente complexos.  Isto sem falar no tempo de desenvolvimento, que era no mínimo igual a uma gestação humana (que é de 9 meses, para quem não sabe).


A década de 80 foi, de fato, o grande marco divisor entre a geração Frame e a geração Micro.  As redes locais, baseadas no protocolo TCP/IP, até tentavam impor um pouco de ordem naquela bagunça, mas não havia justificativa que fizesse o usuário deixar de usar sua boa e velha planilha para voltar a perder tempo com os famosos terminais 3270 - a batalha foi perdida: ali jazia o velho Main Frame.

Por ironia do destino, 20 anos depois de grandes revoluções tecnológicas, cá estamos falando de Cloud Computing.  Será isto uma nova roupagem para a volta dos Main Frames?  Onde estão nossas informações?  Que supermáquinas não essas que conseguem processar o mundo?  Eis que surgem novamente os Main Frames, desta vez mais eficazes e inteligentes.  Escondidos de tudo e de todos.  Resolvendo o problema da concentração de dados sem abrir mão da descentração da informação.  Prometendo segurança sem dizer onde está.  Pulverizando nossas informações como poeira ao vento.

Algumas questões permeiam toda essa história de construção, destruição e reconstrução:

1. Quem detém o verdadeiro poder da informação nos tempos da Cloud Computing?
2. Quem garante o sigilo e a privacidade das informações numa nuvem multinacional?
3. Qual o limite para a pulverização das informações na nuvem?

É este o cenário em que vivemos.  Profissionais de TI, bem vindo ao verdadeiro século 21.

Ah, eu só tenho 46 anos :)

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

TI: Gerenciando a Indisciplina da Equipe




GERENCIANDO A INDISCIPLINA DOS PROFISSIONAIS DE TI

Chegar atrasado ao trabalho.  Desafiar a hierarquia da empresa.  Passar por cima das regras corporativas.  Essas são algumas das condutas profissionais características de boa parte dos jovens e brilhantes profissionais da área de TI.  Se estivéssemos falando de outra área qualquer, atitudes como esta não poderiam ter outro desdobramento senão uma boa carta de demissão.  Mas estamos falando dos informáticos !  

Se por um lado a indisciplina e irreverência são comportamentos indesejáveis em um profissional típico de qualquer área, por outro, esta conduta comportamental é reflexo da pungência de uma criatividade e inteligência acima da média.  

Desenvolver software é um "mix" de inventividade, raciocínio e capacidade de visão holística. Não dá para gerenciar esses profissionais como outros quaisquer.  Não fosse assim, empresas como a Google e a Microsoft não permitiriam seus profissionais comparecerem aos seus ambientes de trabalho usando bermudas, tatuagens e tantos outros adereços considerados, no mínimo, agressivos em toda e qualquer ambiência organizacional.  Ainda na década de 80, a IBM mandava seus pesquisadores para retiros no Himalaia simplesmente para pensarem nas próximas soluções que a humanidade iria utilizar nos anos vindouros.  

É, companheiros gestores, estamos falando de um jeito diferente de gerir pessoas.  Estamos falando de manipulação de energias criativas que só mesmo quem é nativo da área de TI consegue compreender.  Mas quais são realmente as maiores dificuldades de fazer esta "galerinha" produzir para nossas empresas?  Vamos então enumerar alguns desses desafios e suas consequentes (ou aparentes) soluções:

1) Gerenciamento da hierarquia: Não adianta bater na mesa e dizer, aqui quem manda sou eu.  Esta é a melhor forma de perder controle sobre uma equipe. Um bom gestor de TI tem que fazer cada um de seus "liderados" sentirem-se gerentes de si mesmo, convergindo suas energias criativas para o foco da organização, trabalhando tão somente a motivação individual e do grupo.

2) Gerenciamento do tempo: Cronogramas?  Rede Pert/CPM?  Esqueça.  O tempo é, para esta geração de profissionais, uma entidade realmente relativa.  De todos os experimentos que se fez até hoje os melhores resultados foram obtidos através da prototipação (ou prototipagem), seja lá como a queira chamar.  Fazendo "implantar" pequenos módulos de um sistema você consegue manter em níveis elevados a curva de motivação do desenvolvedor, fazendo-o "curtir" cada etapa do processo construtivo.

3) Gerenciamento da irreverência: Esta é a parte que exige mais paciência e autocontrole do gestor.  A primeira providência a ser tomada é blindar a equipe, ao máximo, das visões críticas externas.  Não estou aqui falando de dar espaço à subversividade ou mesmo semear a indisciplina na organização.  Estou apenas convidando o gestor à uma reflexão sobre, até que ponto vale a pena submeter sua equipe aos holofotes setoriais da empresa.  Pense a respeito!

4) Gerenciamento da autoconfiança: A mesma autoconfiança de um piloto de avião que após 50.000 horas de voo negligencia seus instrumentos, levando a aeronave a uma rota equivocada até a pane seca, é a mesma que acomete profissionais de TI ainda em tenra idade profissional.  A sensação de controlar uma sofisticada e poderosa linguagem de programação ou sistema operacional faz com que o informático se considere infalível.  O que poderíamos apontar como solução para isto?  Não cometa o erro de expor seu profissional a vexames públicos - crie ou utilize uma equipe de teste de software.  Lembre-se: quem faz não confere.  Não há nenhuma boa teoria que resista a fatos científicos, portanto, profissionalize o processo de testes de software dentro de sua organização.

Poderíamos aqui falar sobre inúmeras outras características, problemas e soluções recomendadas, mas não há receita de bolo e, até mesmo esses pontos aqui elencados estão sujeitos a críticas e melhoramentos.  Por isto, amigo gestor, vamos iniciar agora mesmo uma reflexão e debate sobre este delicado e relevante tema.

Agora é com você - qual a sua opinião?

__
ACADETEC - Academia Tecnológica do Brasil
www.acadetec.com.br


David Stephen
+55(81)9727-1707
david@acadetec.com.br