segunda-feira, 6 de outubro de 2008

HOLÍSTICA




Holística

Em 1994, um amigo e então colega de trabalho me emprestou um livro muito interessante. Ele me disse que o livro era uma raridade e que eu não mais o encontraria em lugar algum nesse mundo. Confesso que não o levei muito a sério, mas li o livro integralmente em apenas um final de semana. O título do livro era: “Holística e os Ciclos da Vida”, eu acho – não me lembro ao certo. Pela primeira vez eu ouvia falar de Holística. Não fazia idéia do quão profundo era. Segundo o autor, do qual também não me lembro, a Vida de todas as pessoas, animais, negócios e até coisas inanimadas é regida por ciclos repetitivos. Cada Ser que nasce ou surge no Universo tem sua existência mapeada em ciclos temporais. As informações que inserirei aqui neste texto são um tanto quanto imprecisas, pois são frutos de uma compilação anotada que fiz em função do que li em apenas um final de semana, mas tenho as utilizado integralmente em minha vida ultimamente, com sucesso. As poucas vezes que negligenciei esses conhecimentos me servirão de amargas lições. Se você, que lê essas palavras, se sente em condições de colaborar comigo, colocando um pouco de sua vivência e conhecimento sobre este tema, sinta-se a vontade de fazê-lo, inclusive corrigindo, em parte ou no todo, o conhecimento que aqui compartilho com você e os demais leitores do meu Blog.

O Mapa Holístico Global

Segundo a Holística, nossa existência é dividida em ciclos de 7 em 7 anos desde o nosso nascimento. A cada sete anos entramos em uma nova fase onde o Universo nos reserva missões diferentes e a nossa reação aos fenômenos holísticos são adequados. Eu, por exemplo, completei 42 anos este ano e acabei de entrar em meu sétimo ciclo holístico. Infelizmente não encontrei em minhas anotações o que cada um desses ciclos significa para nós, seres humanos, mas lembro bem que neste meu sétimo ciclo terei como desafio consolidar toda a experiência acumulada nos demais ciclos, construindo algo sólido e durador. Se você tem mais informações sobre estes ciclos, por favor, compartilhe conosco.

O Mapa Holístico Anual

Diferente do Mapa Holístico Global, o Anual foi devidamente encontrado em meus registros. Portanto, o que vou colocar aqui representa fielmente o que li a respeito.
O Mapa Holístico Anual divide o nosso ano em sete ciclos de 52 dias, tendo como primeiro dia o dia do nosso aniversário. Veja o que representa cada um desses ciclos em nossas vidas:

1º Ciclo

Campanhas institucionais;
Visitas a clientes em potencial;
Apoios políticos.

2º Ciclo

Mudanças temporárias;
Mudar funcionários importantes;
Práticas comerciais;
Locação rápida;
Planos de retorno a curto prazo;
Documentar tudo pois os acordos verbais tendem a ser esquecidos;
Firmar amizades comerciais com clientes em potencial.

3º Ciclo

Fase criativa;
Qualquer idéia deve ser implementada;
Expansão, promoção, publicidade;
Cobrança amigável de dinheiro;
Acidentes podem ocorrer ou causados por inimigos;
Lidar com forças armadas: governo engenharia armas e máquinas.

4º Ciclo

Campanhas publicitárias de qualquer natureza, direta ou institucional;
Assinatura ou renovação de contrato;
Parcerias;
Jornalismo;
Juízes;
Assessoria de imprensa;
Cuidado com palavras mal interpretadas, falsificações e enrolações.

5º Ciclo

Fase do dinheiro;
Vendas boas;
Promoções com retorno a curto prazo;
Buscar investimentos;
Adiar prazos de pagamentos;
Negociações;
Cobrar dívidas antigas ou duvidosas inclusive na justiça;
Promoções internacionais e/ou em lugares distantes;
Lidar com empresas de rodovias, ferrovias, energia elétrica, companhia de lazer e recreação.

6º Ciclo

Fase das férias ;
Negócios envolvendo música;
Artistas;
Travar amizades simpáticas;
Cobrança;
Ações;
Formação de sociedade e alianças mais sólidas.

7º Ciclo

Período crítico;
Planejar apenas para demolir antes;
Os projetos de demolição devem ser concluídos nessa fase;
Manutenção sem mudanças radicais;
Planejamento de renovação.

Eu, que nasci no dia 7 de maio de 1966, tenho o seguinte mapa holístico anual:

1º Ciclo: 07/05 a 28/06
2º Ciclo: 29/06 a 19/08
3º Ciclo: 20/08 a 10/10
4º Ciclo: 11/10 a 01/12
5º Ciclo: 02/12 a 22/01
6º Ciclo: 23/01 a 15/03
7º Ciclo: 16/03 a 06/05

O Mapa Holístico Semanal

Ao contrário do Mapa Anual, que depende do dia e mês do nosso nascimento, o Mapa Holístico Semanal é o mesmo para todos nós e é determinado por faixas de horários ao longo da semana. São esses os ciclos semanais:

Ciclo “A”

Detalhar planos;
Pedir promoção de cargos;
Empréstimos;
Hábeis corpus;
Recomendações sobre propostas;
Lidar com funcionários públicos;
Lidar com pessoas poderosas para assinar contratos.
Escrever cartas importantes pedindo algo;
Palestras de auto-divulgação;
Outros negócios para melhorar a reputação;
Não tratar com inimigos pois impulsos podem surgir;
Não assinar contratos;
Não começar empreendimentos;
Não iniciar viagens curtas.

Ciclo “B”

Arte;
Música;
Embelezamento;
Cobrar dívidas;
Contratar funcionários importantes;
Iniciar viagens curtas;
Especulação e jogos de azar.

Ciclo “C”

Usar o intelecto;
Estudo;
Planejamento;
Contratar qualquer funcionário;
Preparar anúncios ou campanhas;
Não tratar com inimigos para tirar diferenças.
Não fazer cirurgia.

Ciclo “D”

Iniciar viagens longas ou curtas por mar;
Escrever obras literárias;
Namorar e casar;
Cirurgia;
Vendas;
Lidar com mulheres;
Impulsos ambiciosos positivos;
Não iniciar empreendimentos;
Não assinar contratos;
Não dar dinheiro e nem pedi-lo.

Ciclo “E” – Período de Azar

Ações agressivas;
Raciocínio profundo seguido de campanha prolongada;
Tratar com juízes políticos dirigentes;
Trabalhos literários e jornalísticos;
Promoção de vendas pelos correios;
Mudar-se de residência;
Transferir imóveis;
Não começar viagens longas;
Não assinar contratos nem acordos;
Não contratar empregados;
Não especular;
Não dar nem pedir dinheiro;
Não fazer cirurgia;
Não iniciar relações pessoais.

Ciclo “F” – Período de sorte

Não contratar empregados humildes;

Ciclo “G”

Força física;
Assuntos que requeiram agressividade persistência paciência e energia;
Construção, invenção e trabalhos científicos;
Não beneficência ou fraternidade;
Não lidar com inimigos (bom);
Cuidado: podem acontecer sérios acidentes.

Ao longo da semana é assim que se distribuem esses ciclos:

Horários Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb
1 0h00-3h25 G C F B E A D
2 3h25-6h51h A D G C F B E
3 6h51-10h17 B E A D G C F
4 10h17-14h41 C F B E A D G
5 14h41-17h08 D G C F B E A
6 17h08-20h34 E A D G C F B
7 20h34-0h00 F B E A D G C

Se você for disciplinado a ponto de seguir a risca tudo isto, vai uma dica de quem tenta sê-lo: abra compromissos no seu Outlook para cada ciclo destes.

Se você já leu algo parecido e deseja enriquecer este conteúdo, por favor, pronuncie-se.

domingo, 31 de agosto de 2008

A Internet nos deixa mais Inteligentes ou Burros?


A revista Super Interessante de Setembro de 2008 publicou uma reportagem bastante interessante acerca de uma polêmica que aquece as discussões entre pais, educadores e jovens: A Internet nos deixa mais estúpidos ou mais inteligentes?

Para o americano Mark Bauerlein é preciso tirar os jovens da rede para que possam ter mais tempo com os pais – e, assim, fiquem mais inteligentes. Em seu livro The Dumbest Generation (“A Geração Mais Burra”), Bauerlein diz que os jovens andam tão distraídos com MSN, celulares e Orkut que deixam de prestar atenção em assuntos importantes como história e política. Além disto Bauerlein diz que os jovens, enclausurados em seus casulos tecnológicos, só falam com pessoas da mesma idade, o que impede a troca de conhecimentos e experiências como pessoas mais velhas. Como se não bastasse este embotamento cerebral, os estudantes copiam e colam descaradamente trechos de textos da Internet, sem qualquer crítica ou geração de conhecimento: só informações desconexas e desordenadas.

Mas não é assim que pensa David Weinberger, um dos mais festejados filósofos da atualidade. Weinberger defende que não há nada de errado os jovens conversarem com outros jovens e que nunca foi tão fácil e democrático se obter informação como hoje. Antigamente, diz Weinberger, éramos limitados ao custo de produção e impressão das enciclopédias que limitavam a quantidade e, principalmente, a atualização das informações a que tínhamos acesso. Hoje, na Wikipédia, por exemplo, não há limites de custo na obtenção do conhecimento e a velocidade com a qual a informação é atualizada é sem precedentes. Segundo Weinberger, a forma desordenada e desconexa com que as informações se apresentam na Internet é um estímulo à articulação de nossas conexões neurológicas, tornando-nos mais inteligentes e capazes de absorver cada vez mais conhecimento. A dificuldade de obter informações antigamente estava apenas no trabalho braçal de se recortar e colar informações em papel. Hoje em dia este tempo perdido pode ser redirecionado a buscar cada vez mais informações. Mas a grande evolução da Internet mesmo está no relacionamento entre as pessoas. “Nós avançamos quando conversamos com pessoas com quem concordamos”, diz Weinberger. Hoje não somos limitados a velhos ciclos familiares e de amizade de nossa pequena cidade ou bairro. Podemos nos relacionar com pessoas de diferentes culturas e nações.

O QUE EU PENSO SOBRE ISTO:

Particularmente vejo aspectos importantes nos dois lados. Acredito muito na visão do Weinberger, mas acho que nossos educadores têm que se capacitar melhor para adaptarem suas práticas pedagógicas à esta nova realidade tecnológica. É perfeitamente possível checar se um aluno “colou” ou não um texto da Internet. É só colocar no Google e pesquisar a fonte. Além do mais os professores precisam debater conteúdos em sala, de forma presencial e interativa, para que as informações pesquisadas ganhem status de conhecimento.

Mas tenho que concordar com o Bauerlein em um ponto que julgo bastante relevante: temos que impor limites aos nossos jovens, sobretudo nossos filhos. Tempo para almoçar e jantar juntos. Tempo para jogar bola ou fazer atividade física, enfim, tempo para tudo, inclusive para estudar, conversar e brincar na Internet.

No que tange aos perigos que trazem as redes de relacionamento aos nossos filhos, minha recomendação aos pais é que entrem na rede. Criem seus Orkuts e adicionam seus filhos. Eu sei que é difícil quebrar este paradigma, mas pense por este ângulo: o que não somos capazes de fazer por nossos filhos? Eu, por exemplo, tenho meus dois filhos e minha esposa em meu Orkut. Troco constantemente informações com eles: fotos, vídeos e principalmente conversar, muita conversa. Dentro e fora da Web.

E você, o que pensa sobre isto?